Pequena história da Evolução: a inventividade natural

02/04/2011 13:13

Por: Pablo Aaron dos Santos

 

    A Teoria da Evolução foi uma das maiores descobertas da espécie humana, e da forma que foi concebida, dependeu principalmente dos esforços de um homem; Charles Darwin. Darwin foi um cientista brilhante e observador minucioso dos fenômenos naturais, mas não foi o primeiro a considerar a alteração das espécies ao longo do tempo. O próprio avô de Darwin, Erasmus Darwin, publicou o livro Zoonomia em 1792 que tratava sobre transmutação de espécies.

    Em 1809 foi a vez do naturalista francês, Jean-Baptiste Lamarck, publicar o Philosophie zoologique, onde expunha a sua teoria evolutiva. Lamarck levou a sério a ideia de mudança ao longo do tempo, mas considerou a evolução ocorrendo com a adaptação do próprio indivíduo. O organismo se alteraria durante o seu tempo de vida, adquirindo características que possibilitassem sua sobrevivência (lei do uso-desuso) e essas características seriam transmitidas à descendência (herança dos caracteres adquiridos).

 

Exemplo clássico do pescoço da girafa: de acordo com Lamarck, girafas de pescoço curto poderiam aumentá-lo devido ao esforço para alcançar folhas no alto das árvores.

 

    Provavelmente ninguém poderia ter acertado de uma forma tão errada, se é que isso faz sentido. Lamarck teve méritos ao perceber que a vida evolui, que os seres modificam-se com o passar das eras, mas ambos os mecanismos imaginados por ele estavam errados.

    Para duvidar de suas hipóteses, basta perceber que nadadores não desenvolvem escamas, apesar de passar boa parte do tempo na água treinando, e nem fisiculturistas tem filhos bombados. Imagine então o hímen. Estaria fadado ao desaparecimento, visto que para poder ter filhas, as mulheres teriam que perdê-lo, sendo uma “característica adquirida” e que “seria herdada” por suas filhas. E quanto aos filhos de amputados? Deveriam todos nascer com membros faltando. Após a publicação de seu livro, experimentos foram feitos com ratos. Os ratinhos tinham sua cauda decepada, e depois eram colocados para cruzar. Independente do cruzamento feito, todos os ratinhos nasciam com cauda. A evolução foi uma ideia genial, mas teve que esperar mais alguns anos para ganhar novamente destaque após Lamarck ter sido refutado.

    Em 1844, um autor inglês publicou de forma anônima o livro Vestiges of the Natural History of Creation. O livro foi lido por bom número de pessoas, mas também foi fortemente criticado por insinuar que os organismos não haviam sido criados da forma que são. O autor Foi Robert Chambers.

 

Representação do esqueleto de um mamute publicada em Vestígios; e diagrama evolutivo retirado do mesmo livro, onde (F) são os peixes, (R) os répteis e (B) as aves, todas em um caminho que leva aos mamíferos (M).

 

    Todas essas publicações tornaram a discussão acerca da evolução um assunto em ebulição. Esses autores abriram caminho para o trabalho de Darwin. Ele começou a recolher informações em uma viagem de quase 5 anos à bordo do navio Beagle, o qual passou por diversos países, inclusive o Brasil, onde o naturalista horrorizou-se com a barbárie da escravidão e maravilhou-se com as belezas naturais. Mas foi no arquipélago de Galápagos, na costa do Equador, que Darwin fez várias descobertas. Ele percebeu que os seres diferiam em pequenos detalhes de uma ilha para outra, sendo que cada ilha possuía condições peculiares.

 

 

Caderno de anotações de Darwin mostrando um esboço de árvore evolutiva. No alto a frase “I think” (Eu acho); rota do navio Beagle; foto do “grande homem”.

 

    Darwin passou aproximadamente 20 anos trabalhando e reunindo dados para um conceito novo e poderoso, a seleção natural, ou sobrevivência dos organismos mais aptos (não necessariamente mais fortes). Para sua teoria, usou ideias retiradas de um livro de Malthus (Essai sur la population), que falava sobre dinâmica populacional na espécie humana.

    Malthus dizia que a poulação humana tenderia a aumentar (cresceria em PG), mas a produção de alimento não acompanharia esse crescimento (cresceria em PA). Haveria falta de recursos, fome e morte. Hoje sabemos que Malthus não levou em conta os avanços tecnológicos (lavouras mecanizadas, irrigação, transgênicos, defensivos agrícolas, todas técnicas capazes de aumentar a produtividade em lavouras). Ainda temos alimentos suficientes no mundo, só falta distribuir. Mesmo as ideias de Malthus sendo imprecisas para humanos, aplicam-se muito bem em outros seres vivos, afinal de contas, os outros animais, de maneira geral, não plantam lavouras, e a falta de recursos realmente acontece.

    Darwin ainda trabalhava na procura de evidências para a evolução, principalmente cruzando pombos e observando as diferentes variedades criadas pela seleção artificial, quando recebeu uma carta de um jovem pesquisador chamado Alfred Russel Wallace.

 

 

Exemplo clássico do pescoço da girafa: de acordo com Darwin, os ancestrais das girafas atuais possuíam vários comprimentos de pescoço (diversidade), e as que tinham pescoço maior deixaram mais descendentes por conseguirem alcançar as folhas mais altas das árvores, tendo mais nutrientes disponíveis.

 

    Wallace tinha chegado à mesma conclusão que Darwin. A sobrevivência é dolorida, é sangrenta e nada bonita. A cada segundo neste planeta algum animal respira de forma ofegante com medo da morte. Predadores espreitam por todos os lados, e a fome cerca esses mesmos predadores. A briga por recursos favorece os indivíduos mais aparelhados, e seu prêmio é mais tempo de vida, e uma prole maior, o seu bônus.

 

 

Ilustração de The Malay Archipelago de uma rã planadora descoberta por Wallace.

 

    Existem diversos recursos aos quais vale à pena disputar, em alguns casos brigando até a morte. Uma zebra que pasta ao lado de um bando de leões, o faz porque a alternativa a isso seria morrer de fome. E sempre tem a possibilidade do leão comer a zebra do lado e não ela. O veado que vai ao rio beber arrisca-se a virar almoço de crocodilos. A alternativa é a morte. Vale à pena arriscar.

    Parceiros sexuais também são um recurso, e um dos mais disputados. O que dizer de espécies em que o macho é devorado após a cópula? Quem em sã consciência morreria em troca de sexo? Vários animais. Os louva-deuses, alguns besouros e aranhas são exemplos. Se o seu objetivo único na vida é sobreviver a ponto de reproduzir, e você tem certeza que fecundou a fêmea e que terá filhotes, viver depois disso passa a ser sem sentido. Sem falar que o seu corpo serve de nutriente para que a fêmea produza os seus filhotes. Isso que é amor de pai!

 

O macho louva-deus “vence” a disputa no jogo da reprodução, e vira almoço da fêmea por isso.

 

    Em 1859 Darwin publicava o seu A origem das espécies em conjunto com a carta de Wallace, dividindo os méritos da Teoria Evolutiva. A evolução teria então dois pais.

 

Caricaturas de Darwin publicadas em La Petite Lune e The Hornet, demonstrando preconceito e falta de entendimento de sua teoria, explicitada em The Origin of Species by the Means of Natural Selection (à direita).

 

    À evolução ainda seriam acrescentados vários conceitos genéticos posteriormente, como a mutação, criando a chamada Teoria Sintética da Evolução, ou Neodarwinismo. A genética e o conceito de mutação foram capazes de explicar a herança das características vantajosas e como a diversidade era criada, questões muito difíceis para Darwin responder. Hoje sabemos que novas informações são produzidas por “erros” que ocorrem na cópia do DNA para produção de células gaméticas (a mutação).

 

Mutação: Alteração em uma sequência de DNA, podendo gerar novas características.

 

    A ciência trabalha em busca de respostas, doa a quem doer. Geralmente a cada etapa respondida, geramos uma infinidade de dúvidas, mas é próprio da natureza humana ser questionador, mesmo que com lapsos de passividade (olá idade das trevas). Muitas das questões fundamentais à cerca do universo ainda jazem sem resposta, mas não mais “de onde viemos”. O futuro é incerto. Seremos extintos em um evento de destruição em massa? Colonizaremos a galáxia e nos tornaremos os ETs do futuro? Não sabemos. Resta a lição de humildade ensinada pela árvore da vida, com seus 99% de todas as espécies que existiram já extintas acenando de longe. Você não é o ápice da evolução, e nem é especial. Viva e procure deixar o seu legado, pois um dia, como todas as outras espécies, a sua também desaparecerá, ou dará origem a outras. Não conseguimos enxergar muito longe no futuro, mas vimos o nosso passado. Nossos rastros estão lá, meio apagados, mas impressos nos 3,5 bilhões de anos de história de vida no planeta.

    Encerro com as palavras finais de Darwin em seu livro: "É da guerra da natureza, da fome e da morte, que o mais elevado objetivo que somos capazes de conceber (...) advém. Há grandeza nesta visão de vida que enquanto este planeta foi gerado de acordo com a lei da gravidade a partir de um universo muito simples, infinitas formas belas, maravilhosas, evoluíram e continuam evoluindo".

 

Comente o artigo

DUVIDA

TADEU BARBOSA SANTOS | 06/08/2011

Boa tarde professor
E a primeira vez que visito o site e realmente gostei do conteúdo. Tenho uma duvida: Gostaria de saber se e possível explicar a luz da teoria evolutiva algo tao complexo quanto o ciclo de krebs. Li em um livro do Richard Dawkins, chamado "O maior espetáculo da Terra, as evidencias da evolução", a seguinte afirmação : " a seleção natural e um poderoso motor capaz de gerar o estatisticamente improvável". Minha pergunta e: como a seleção natural consegue operar verdadeiras maravilhas deste porte? afirmar que ela o faz, sem dizer como não soa meio religioso? antes que me queimem na fogueira da inquisição neo darwinista, eu gostaria de deixar claro que também aceito a teoria de darwin ok?

Re:DUVIDA

Pablo | 17/10/2012

Olá Tadeu.
Concordo com você que é muito difícil observar um mecanismo tão complexo quanto o ciclo de Krebs, e vê-lo surgindo por seleção natural. Mas geralmente isso ocorre quando observamos um produto final.
O interessante é analisar se rotas metabólicas alternativas mais simples poderiam chegar a um mesmo resultado, e sim, poderiam.
Existem várias formas de reações retroalimentadoras (como o ciclo de Krebs) na natureza, algumas mais eficientes, outras menos. A seleção ocorre no momento em que vemos algumas dessas rotas sendo favorecidas em detrimento de outras, o que é normal quando existe diferença (variabilidade).
Como você citou Dawkins, vou usá-lo na resposta. Você já viu sua alegação de que "meio olho é melhor que olho nenhum"? É mais ou menos a mesma questão que você formulou.
Quando observamos o olho totalmente formado, tendemos a imaginá-lo como algo que não funcionaria sem todas as peças encaixadas, mas não é verdade. Existem várias etapas de eficiência no funcionamento do olho que vão da cegueira completa até a visão perfeita, passando por várias visões borradas. Um ocelo não forma imagens, mas percebe luminosidade. Não é tão bom quanto um olho, mas é melhor que olho nenhum. Da mesma forma, ciclos metabólicos complexos surgiram de ciclos anteriores, não tão eficientes.
A sua dúvida foi muito parecida com o do Design Inteligente, que afirma que algumas coisas são "complexamente irredutíveis", e que não poderiam ter surgido por seleção.
Tome cuidado com isso, OK?
Espero ter ajudado, e desculpe a demora.
Abraço.

HTTP://DONDRAS.BLOGSPOT.COM

Dondras | 13/04/2011

<B>MUITO BOM SEU POST PARABÉNS!!!!!

QUERIA CONVIDA-LO A DIVULGAR SEUS LINKS <a href="http://dondras.blogspot.com">

AQUI NO DONDRAS</a>

DONDRAS.BLOGSPOT.COM

E AUMENTE SUAS VISITAS!!!!!!!!!!</B>

A inventividade natural

Ildo | 06/04/2011

Ainda bem que não sou inseto para ser devorado por sua mãe.
Assim não poderia ler seus belos artigos agora.
Beleza garoto!

Especial

Anônimo | 03/04/2011

Pablo, o padre falou na missa que nós somos a parte mais especial da criação.

Re:Especial

Pablo | 04/04/2011

Bom, se o padre não estudou direito, talvez não seja culpa dele...
Vamos "rezar" por ele então..., kkkkkkkkkkkkkk

.

Natália | 03/04/2011

Darwin era o cara! kkk
Parabens por mais um excelente artigo!
Esperarei ansiosa o proximo!

Re:.

Pablo | 03/04/2011

Ótimo, logo logo postarei novos artigos...

Pequena história da Evolução: a inventividade natural

Ze da Física | 02/04/2011

Realmente é fascinante como se deu a evolução da vida na Terra.
Com textos assim fica fácil aprender. Parabéns ao autor!

Re:Pequena história da Evolução: a inventividade natural

Pablo | 02/04/2011

Valeu.
Agora rola uns artigos de física aqui heim.

1 | 2 >>

Novo comentário

OBSERVAÇÃO: todos os campos precisam ser preenchidos.